Veja como a Logística Lean virou o jogo nas operações da Ageo

Veja como a Logística Lean virou o jogo nas operações da Ageo

A logística Lean, ou logística enxuta, como também é conhecida, é um método criado para
promover a maior eficiência nos processos logísticos e a sua aplicação dentro da empresa de
terminais de armazenagem Ageo foi o tema painel “Logística Lean aplicada em operações
rodoviárias e marítimas”, que foi apresentado por Cauim Lopes, gerente de Operações da
Ageo, empresa nacional que lidera a movimentação de granéis líquidos (materiais a granel) no
Porto de Santos, em São Paulo, com destaque para Etanol e outros produtos químicos, tendo
movimentado mais de 4200 metros cúbicos de materiais só no ano passado.
A equipe da Guep acompanhou a apresentação, parte do mais recente encontro do CIST –
Clube Internacional de Seguro de Transporte, realizado em São Paulo, no último dia 25 de
abril.

O que é a logística Lean e qual a sua aplicação?

A Logística Lean, também conhecida como Logística Enxuta, se baseia no modelo de gestão
denominado “Sistema Lean”, que foi desenvolvida pela japonesa Toyota, e que, em essência,
visa identificar os gargalos em processos produtivos para eliminar desperdícios e promover a
eficiência.

Mudanças trazidas pela metodologia Lean na Ageo

Em sua apresentação o executivo detalhou que antes da adoção da metodologia Lean, a
movimentação e recepção de cargas na Ageo, no Porto de Santos, estava sujeito a gargalos
que comprometiam a fluidez e eficiência da operação. “Havia um pico de caminhões próximo à
hora do almoço, com grandes ‘vales` na madrugada e final da noite, mesmo a nossa operação
permitindo atuar 24 horas por dia”, explicou Lopes.
Segundo o executivo, antes de adotar a metodologia Lean, a organização se preocupava em
apagar incêndios, não existiam metas e a empresa se debatia com procedimentos manuais de
controle.

Quando a empresa adotou o Lean, o primeiro passo foi estudar todos os fluxos de trabalho
que afetavam a operação. Viu-se, por exemplo, que os motoristas precisavam fazer um longo
deslocamento entre o ponto de estacionamento e o guichê de cadastro de motorista. Detalhe:
só havia um destes guichês, o que levava à formação de uma inevitável fila nos horários de
pico. O que se buscou foi simplificar os processos e aumentar a produtividade, sem descuidar
da segurança.

O resultado foi que a empresa passou a ter metas claras e objetivas, adotaram-se mecanismos
para automatizar o processo e foi criada uma sala de controle para produtos considerados
críticos. A recepção de motoristas, que antes se baseava numa lista impressa, demorava em
média 5 minutos para confirmação e, ao passar para uma validação digital por um tablet, teve
este tempo reduzido para menos de 30 segundos por caminhão.

Agilidade e atendimento

Na parte de recepção dos caminhoneiros, por exemplo, a distância entre estacionamento e
ponto de cadastro foi reduzida de 1,2 Km para 200 metros e a fila que ficava concentrada num
único guichê ganhou seis pontos de atendimento, reduzindo o tempo de espera de
atendimento de 1 hora para 25 minutos.

Com a maior agilidade no atendimento, a Ageo aumentou a performance no processamento
de cargas rodoviárias em atividades de importação em 17%, na comparação de 2018 com
2017, com redução de 32% no tempo médio por operação; e redução de 21% na exportação,
com redução de 33% no tempo no tempo médio por operação.

Programa SASSMAQ, de segurança no transporte de produtos químicos, reduz acidentes em 68,7%

Programa SASSMAQ, de segurança no transporte de produtos químicos, reduz acidentes em 68,7%

A equipe da Guep esteve presente no mais recente encontro do CIST – Clube Internacional de
Seguro de Transporte, realizado em São Paulo, no último dia 25 de abril. No workshop
intitulado "Metodologias aplicáveis à gestão dos riscos e seguro do transporte de carga",
acompanhamos a apresentação de Yáskara Barrilli, assessora técnica sênior na Abiquim
(Associação Brasileira da Indústria Química), que falou sobre o programa Sassmaq, da Abiquim
como metodologia para prevenção de acidentes.

O que é o Sassmaq da Abiquim

O Sassmaq – Sistema de Avaliação de Saúde, Segurança, Meio Ambiente e Qualidade, foi criado
em 2001 para a avaliação de transportadoras com o objetivo de aumentar os padrões de
segurança no transporte, estocagem e distribuição de produtos químicos. Pode ser entendido
como um conjunto de procedimentos e orientações para as empresas de transporte que
prestam serviços à indústria química e é considerado um importante pré-requisito no setor.
Seu objetivo é de promover as melhores práticas para gerenciar e reduzir os riscos envolvidos
nas operações de transporte e distribuição de produtos químicos.
Em sua apresentação, a assessora mostrou ao público do evento algumas das iniciativas da
Abiquim como a prevenção da exposição de profissionais a agentes químicos e biológicos,
prevenir acidentes de trabalho e evitar situações de contaminação ambiental, no caso de
acidentes, entre outros.

Compromisso com a segurança

“O programa atende a diversos objetivos, sendo referência na qualificação de fornecedores
para a indústria Química. Ele também reflete o compromisso da indústria química com seus
parceiros e a segurança no transporte, além de contemplar toda a legislação do transporte de
produtos químicos”, explica Yáskara.
Segundo a executiva, a implementação do Sassmaq conseguiu contribuir para a significativa
redução de 68,7% nos acidentes no transporte rodoviário de produtos químicos de 2006 até
2017, ano em que foram registrados cerca de 13 acidentes com produtos químicos no
transporte rodoviário, para cada 1 bilhão de quilômetros rodados com cargas químicas no
Brasil (fonte Abiquim).
E qualquer transportadora pode se certificar para o transporte de produtos químicos, o que
abre oportunidades para fornecer serviços para a 6ª maior indústria química do mundo, e que
faturou US$ 128 bilhões em 2018.

CIST realiza workshop sobre riscos e seguro do transporte de carga

CIST realiza workshop sobre riscos e seguro do transporte de carga

No próximo dia 25 de abril, o Clube Internacional de Seguros de Transportes (CIST) realizará o workshop “Metodologias aplicáveis à gestão dos riscos e seguro do transporte de carga”. O evento será realizado no São Paulo Center, a partir das 8h30, e é destinado aos profissionais dos setores de logística e seguros.

O encontro faz parte da grade de workshops mensais que o CIST promove com o compromisso de desenvolver a cultura de gestão de riscos e seguros no Brasil, e capacitar trabalhadores desses segmentos. Para cumprir com esses objetivos, o evento conta com apoio da Guep, Buonny, Grupo Fox, Grupo Golden Sat e Munich Re.

O primeiro painel será sobre o “programa Sasmaq da ABIQUIM como metodologia para prevenção de acidentes”, com Yáskara Barrilli, assessora Técnica Sênior na ABIQUIM.

A palestrante é Bacharel em Química com atribuições Tecnológicas pelo Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP) e Mestre em Físico Química pela Universidade de São Paulo (USP). Possui mais de trinta anos de atuação na indústria química nas áreas de processos, P&D ,saúde, segurança e sustentabilidade.

O segundo painel terá como tema a “Logística Lean aplicada em operações rodoviárias e marítimas” e será apresentado por Cauim Lopes, gerente de Operações da AGEO.

O executivo é formado em Ciências Contábeis pelo Centro Universitário Monte Serrat (Unimonte), pós-graduado em Engenharia de Produção pela Universidade Santa Cecília (Unisanta) e possui MBA em Gestão Empresarial com Ênfase em Finanças Corporativas e Controladoria pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Data: 25 de abril de 2019
Horário: 08h30 às 12h30
Local: São Paulo Center
Endereço: Av. Lineu de Paula Machado, 1088/1100 – Cidade Jardim
Investimento: R$ 80 para sócios / R$ 100 para não sócios
Mais informações: www.cist.org.br

Sobre o CIST

O Clube Internacional de Seguros de Transportes (CIST) é uma entidade que reúne os diversos profissionais da cadeia logística de seguro de transportes: seguradoras, corretoras, resseguradoras e reguladoras de sinistros. O seu objetivo é reunir, integrar e capacitar à todos, além de promover a discussão sobre questões relacionadas ao segmento. Para saber mais, acesse www.cist.org.br.

Fonte: Segs

Precificação precisa ainda desafia seguradoras resseguradoras

Precificação precisa ainda desafia seguradoras resseguradoras

Painel do 8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro aponta para adaptação urgente a novo marco regulatório

O marco regulatório dos transportes de cargas colocará o setor securitário diante de uma série desafios, exigindo uma mudança de comportamento do mercado em geral, como acentuou Paulo Robson Alves, da AXA XL, coordenador da mesa de debates do painel técnico “Os desafios atuais do seguro de transporte”, realizado na tarde desta terça-feira (9), no segundo e último dia do 8º Encontro de Resseguro do Rio de Janeiro, que contou também com a participação da advogada Paula Rodrigues, sócia do escritório CGVF Advogados, e do diretor-geral da Internacional Risk Veritas, Alfredo Chaia.

Adaptar-se a essa nova realidade do marco regulatório do transporte, hoje um segmento de mercado extremamente  dinâmico e norteado por transações constantes e pontuais, exige uma conduta irrevogável para a análise precisa do risco: executar o contrato com base, entre outros aspectos, na jurisdição local e original da carga. Essa premissa é essencial, como reforçou Paula, endossando o comentário de Rodrigues:

“Há uma necessidade de ambientação. A gente está cada vez mais numa era de dinamismo, de alterações constantes, e o seguro de transportes vai precisar se adaptar e tentar acompanhar esse dinamismo. Hoje, o seguro de transportes segue um padrão, mas que deverá se postular em cláusulas particulares. Essa criatividade pode gerar até uma exposição que não é esperada, enfim, mas talvez possibilite trabalhar mais com orientações para (os contratos) se tonarem mais flexíveis às alterações”, pontuou Paula, para quem assumir riscos não é tarefa simples, sobretudo quando está em pauta o seguro de transportes, considerando os elevados índices de roubos de cargas, que posiciona o setor diante da incerteza do risco.

Chaia posiciona-se na mesma linha reflexiva . Porém, defendeu ele, o marco regulatório é uma medida que está interessando muito mais ao debate para quem contrata do que em razão da natureza do risco. “A parte dessas discussões de responsabilidade por contratação, os nossos debates de hoje, e muitos outros, sobre a complexidade e a interdependência, continuam grandes. Mas o transportador, genericamente, vai assumir um grau de responsabilidade progressivamente maior, porque o produto está cada vez mais variado e complexo”, concluiu.

O representante da Risk Veritas argumentou, inclusive, que o modo como hoje o setor subscreve transportes permanece defasado. “Se pensamos em interdependências, não dá para fazer essa subscrição com o modelo disponível hoje”, avaliou Chaia.

Fonte: CNseg

Guep participa do Workshop do SINDISAN

Guep participa do Workshop do SINDISAN

O 1° Workshop de Soluções Tecnológicas de Segurança foi um evento idealizado pelo SINDISAN (Sindicato das Empresas de Transporte Comercial de Carga do Litoral Paulista) com o intuito de apresentar produtos inovadores aos seus associados e que trarão grandes melhorias a todo o mercado de transportes. A Guep teve a oportunidade de fazer uma apresentação de suas soluções que atendem a todos os players do mercado (Seguradoras, Corretores, Gerenciadoras de Risco, Reguladores de Sinistro, Transportadoras e Embarcadores), com foco no sistema Score que é o nosso produto de Consulta de cadastro de motoristas, que pesquisa mais de 400 fontes em tempo real e traz as informações em uma média de 15 minutos.
Agradecemos ao presidente do Sindisan, André Luís Neiva por mais essa grande parceria, assim como a todos os membros de sua diretoria.

O Sindisan é o Sindicato das Empresas de Transporte Comercial de Carga do Litoral Paulista, é uma entidade patronal que congrega empresas do setor de Transporte Rodoviário de Carga (TRC) de 11 municípios da Baixada Santista e do Litoral Sul do Estado de São Paulo (Bertioga, Cananéia, Cubatão, Guarujá, Iguape, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos e São Vicente). Foi fundado em 1º de agosto de 1937 com a finalidade de representar os interesses do segmento, bem como, defender os direitos coletivos e individuais de seus associados.

A missão do Sindisan é representar a categoria de Transportador Rodoviário de Cargas, perante os órgãos anuentes municipal, estadual e federal. Reivindicar direitos da categoria, mantendo os associados sempre informados das atividades do setor, bem como, atualizados das legislações pertinentes.