Atendimento (11) 4452-7100 | Comercial (11) 2598-0104 contato@guep.com.br
Empresários do setor de transporte se unem por movimento pró-vacina

Empresários do setor de transporte se unem por movimento pró-vacina

Por conta do crescimento da pandemia no Brasil em ritmo acelerado, e a imunização por meio de vacinas em velocidade consideravelmente lenta, alguns empresários do ramo de transporte se uniram em torno da campanha #VacinaJá – O Brasil tem pressa!

O movimento espera chamar a atenção da população para a necessidade da imunização em massa do povo brasileiro, por conta do grande desejo de voltarem plenamente à vida econômica normal e comum do país. Por isso, esses empresários incentivam o uso de máscaras pela população, e confirmam a disposição do setor de transportes para ajudar de alguma forma na aceleração da logística da vacinação do país.

A iniciativa tem apoio da CNT (Confederação Nacional do Transporte), que em parceria ao governo federal, incluiu os profissionais do transporte de todos os modais no grupo prioritário da campanha nacional de vacinação contra a covid-19.

E mais do que isso, disponibilizaram toda a cadeia de logística do setor para que sejam realizadas todas as entregas das vacinas. Já em outra frente, o Sistema CNT disponibilizou as unidades do SEST SENAT em todo o país para a utilização como pontos de vacinação.

O presidente da CNT, Vander Costa, declara que a vacinação da população depende de uma adequada logística de distribuição, com requisitos específicos de transporte, armazenagem, manuseio e controle em todas as suas etapas. “Nós transportadores, reunimos as condições para ajudar nessa missão, e estamos a postos para intensificar nossas ações”, afirmou Costa.

Caso queira fazer parte e ajudar essa campanha de alguma forma, basta clicar aqui para fazer o download do material da campanha e adesivar seus veículos para a divulgação.

Braspress sai na frente do mercado e lança um projeto com caminhões elétricos

Braspress sai na frente do mercado e lança um projeto com caminhões elétricos

O diretor e presidente da Braspress, Urubatan Helou, revelou nesta semana o primeiro caminhão elétrico que a empresa irá operar nos próximos meses, produzido pela JAC Motors Brasil.

Em um vídeo publicado nas redes sociais da empresa, o diretor afirmou que quem conduzirá esse caminhão serão as Rainhas do Voltando, um projeto Braspress que foca em dar oportunidades no ramo de transportes de cargas para mulheres.

A ideia principal dessa parceria das Rainhas do Volante, e dos caminhões elétricos da Jac Motors Brasil por meio da Braspress, é de prover uma iniciativa que promove a sustentabilidade nos eixos ambiental e de inclusão (a Brasspress costuma divulgar vagas e promover a profissão de motorista de caminhão também para o público feminino em suas redes sociais).

O executivo informou que o modelo usado tem uma autonomia de 200Km. Porém, inicialmente é um projeto que será pilotado pela aeropress, uma subsidiária do grupo que gerencia a Braspress.

A empresa, que tem forte atuação no transporte do e-commerce e outros segmentos, conta com mais de 100 filiais distribuídas por todo o Brasil e países do Mercosul e concentra sua atuação no atendimento com veículos de uma frota própria que conta com mais de 3 mil veículos e um time de mais 9 mil colaboradores.

Fonte: Linkedin/Braspress

Governo Federal cria política de modernização das rodovias federais

Governo Federal cria política de modernização das rodovias federais

O Governo Federal instituiu a Política de Modernização da Infraestrutura Federal de Transporte Rodoviário, o Inov@BR, e a qualificou no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos da Presidência (PPI).

Essa política, que foi criada pelo decreto n° 10.648 assinado pelo presidente Jair Bolsonaro no dia 12 de março e publicado no DOU no dia 15, tem como foco promover a modernização e garantir a segurança e eficiência logística das rodovias federais, concedidas ou não.

“Este programa vai trazer inovações para nossas rodovias. Vamos levar a segurança viária, a fluidez e a tecnologia como nossos pilares da modernização. Este projeto vai garantir as ferramentas necessárias para melhorar a competitividade, assegurar a qualidade na infraestrutura e promover a segurança de todos”, afirmou Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura,.

O programa, voltado para rodovias concedidas e para as administradas pelo Departamento de Infraestrutura de Transportes (DNIT), está em linha com a Política Nacional de Transportes (PNT) e com o Plano Setorial de Transportes Terrestres (PSTT), coordenados pelo MInfra.

Pelo Inov@BR, serão realizados investimentos em:

  • Novas sinalizações;
  • Monitoramento das vias;
  • Conectividade (wi-fi e cobertura de celular nas rodovias);
  • Implantação do free flow;
  • Aprimoramento da pesagem veicular;
  • Integração do DNIT e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

O programa, de forma geral, trará a modernização junto com o incentivo para uso da TAG dos pedágios e técnicas sustentáveis para melhorar a qualidade do meio ambiente.

E você, gostou desta notícia? Confira várias outras notícias do transporte clicando aqui.

Fonte: SETCESP

Movimento de caminhões cresce 1,5% nas rodovias em fevereiro

Movimento de caminhões cresce 1,5% nas rodovias em fevereiro

O movimento de caminhões nas estradas pedagiadas cresceu 1,5% no mês de fevereiro em comparação com janeiro. Comparando com o mesmo mês do ano de 2020, o avanço foi de 4,4%. Os dados são da ABCR (Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias) e analisados pela consultoria Tendências Integrada.

O aumento do movimento de veículos pesados, de acordo com a consultoria Tendências, está ligado diretamente à recuperação da atividade de transporte de cargas no Brasil. Por causa de setores da economia que continuam aquecidos, principalmente o agronegócio, comércio eletrônico e construção civil, a demanda por transporte aumenta e, consequentemente, há mais caminhões nas estradas.

De acordo com a ABCR, desta vez o movimento de veículos leves apresentou alta de 4,7% no segundo mês do ano sobre janeiro. No entanto, na comparação com fevereiro de 2020, há uma queda de 11%. O recuo de deve à pandemia de covid-19, que reduziu o movimento de veículos de passeio nas estradas.

Por causa do aumento no movimento de caminhões e carros de passeio, o fluxo geral de veículos referente a fevereiro de 2021 apresentou avanço de 3,8% no comparativo com janeiro.

Gostou da notícia? Compartilhe.

Fonte: Estradrão

Projeto é preparado para que caminhoneiros consigam pneus novos de forma simplificada

Projeto é preparado para que caminhoneiros consigam pneus novos de forma simplificada

Atualmente, a indústria prepara um projeto que praticamente facilitará o processo dos caminhoneiros a conseguirem pneus novos de acordo com a ANIP. Estudo realizado pela mesma afirma que isso ajudaria a contornar impactos negativos da diminuição da alíquota de 16% para 0% para importação de pneus.

Desafios atuais

Infelizmente nesse ano de 2021, a indústria de pneus para veículos de carga tem enfrentado grandes dificuldades e desafios derivados de vários fatores.

Um dos obstáculos é regularizar o fornecimento para as fabricantes de caminhões. Logo após, o empenho para que a normalização da frequência e ritmo de produção seja novamente normalizado e projetável. Em seguida, o desafio de tentar que fazer com que o governo federal aprove um projeto que ajudará os caminhoneiros a terem mais facilidade de acesso a pneus novos.

O projeto

A ANIP disse que durante os próximos dias o projeto será apresentado de forma pública. Sendo aprovado, com certeza a expectativa de que isso ajude com que o profissional autônomo fique mais aliviado pelo custo do frete e tenha mais energia para investir aumentará.

O presidente da ANIP diz que: “Ele terá melhorias no fluxo de caixa e redução do custo”. Também afirma que essa ação ajudaria a contornar os impactos negativos da redução da alíquota de 16% para 0% para importação de pneus. Tal determinação do Ministério da Economia feita no começo do ano está prejudicando a indústria nacional de pneus.

Visão da ANIP com relação à taxa zero

Ao ser questionado sobre a taxa zero para pneus importados, o presidente da ANIP disse: “Nós não fomos consultados com relação a isso e o que posso dizer é que não traz benefícios para o caminhoneiro e pequeno transportador. Um pneu importado tem vida útil menor do que um feito no Brasil e menos possibilidade de recapagem. A conta não fecha. Portanto, essa determinação de zerar impostos para pneus importados sem determinar, inclusive, um período, está fazendo com que a indústria instalada no Brasil recue seus investimentos e passe a se perguntar se vale a pena produzir aqui ou se é melhor passar a importar também. Isso prejudica toda a cadeia, pode gerar retrocesso de tecnologia e até desemprego por causa da desindustrialização.”

Ele continuou com um exemplo: “Há uma empresa, inclusive, que iria fazer a contratação de 240 funcionários neste ano, mas adiou essa decisão por causa dessa imprevisibilidade”.

E sobre essa situação afetar o desenvolvimento de novas tecnologias em pneus ele disse: “A imprevisibilidade congela investimento em tecnologia e também até inovações na forma de comercializar a atender o cliente. Por isso, estamos levando uma proposta ao governo que vai trazer vantagens para o caminhoneiro na hora de adquirir um pneu nacional. E irá favorecer principalmente empresas que cumprem metas ambientais.”

Fonte: estradão