Atendimento (11) 4452-7100 | Comercial (11) 2598-0104 contato@guep.com.br
Livro digital gratuito traz detalhes sobre o câncer de mama

Livro digital gratuito traz detalhes sobre o câncer de mama

A Guep está desenvolvendo ações internas para suas colaboradoras, em linha com as ações de conscientização sobre o câncer de mama do Outubro Rosa.

É importante que muitas empresas fomentem ações de educação e conscientização para seus públicos internos, o que é fundamental, uma vez que o câncer de mama é o que mais mata mulheres no Brasil, sendo a 2a causa de todas as mortes de mulheres no País, atrás apenas das doenças vasculares. Entretanto, se diagnosticado precocemente e tratado de forma adequada tem até 95% de chance de cura.

Porém, por mais que se fale do tema, o câncer de mama suscita muitas dúvidas, além de trazer também alguns mitos. E foi para dirimir essas dúvidas que o Instituto Vencer o Câncer lançou no início do mês a 2ª edição do livro Vencer O Câncer de Mama, com informações atualizadas sobre a doença, os fatores de risco, o diagnóstico, a prevenção e os tratamentos existentes, entre outras informações. Em relação à 1a edição há oito novos capítulos que complementam os 20 temas presentes na obra.

O conteúdo foi produzido a partir de perguntas e respostas elaboradas por uma equipe multidisciplinar e traz ilustrações que ajudam na compreensão dos temas abordados.

As versões impressas do livro serão vendidas por organizações e estabelecimentos que apoiam o combate ao câncer de mama e a renda será revertida para o Instituto Vencer o Câncer. Mas o livro também está disponível online para ser baixado gratuitamente no site do instituto e a gente te traz o link para o download aqui.

Gostou? Compartilhe:
Movimento Maio Amarelo 2020 terá foco no digital

Movimento Maio Amarelo 2020 terá foco no digital

No mês de maio o mundo se ilumina de amarelo para chamar a atenção da sociedade para a questão da violência do trânsito. Com o tema “PERCEBA O RISCO. PROTEJA A VIDA”, o Maio Amarelo deste ano irá focar em ações nos meios digitais.

A principal característica do Movimento Maio Amarelo é a mobilização da sociedade com ações nas ruas, praças, escolas e rodovias de todo o país durante o mês de maio. Porém, com o objetivo de proteger a vida e atender as orientações do Ministério da Saúde referentes à pandemia do novo coronavírus (COVID-19), o DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito) decidiu deixar o MAIO AMARELO DIGITAL, deixando as ações presenciais apenas para setembro de 2020.

O DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) , assim como outros órgãos e instituições que executam ações de mobilização, estão dedicados no sentido de evitar a disseminação da pandemia da Covid-19. Sendo assim, a campanha desse ano será divulgada através redes sociais e também pelo site oficial do órgão, com a missão de atingir seu propósito que é reduzir o número de vítimas do trânsito.

Entenda um pouco mais sobre o Movimento Maio Amarelo

Maio Amarelo é um movimento internacional de conscientização para redução de acidentes no trânsito. Seu principal objetivo é: chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo.

A intenção é colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade, envolvendo os mais diversos segmentos.

Por quê maio?

Em 11 de maio de 2011, a ONU (Organização das Nações Unidas) decretou a Década de Ação para Segurança no Trânsito. Com isso, o mês de maio se tornou referência mundial para balanço das ações que o mundo inteiro realiza.

Por quê amarelo?

Segundo a fonte do próprio site do movimento, o amarelo simboliza atenção e também a sinalização e advertência no trânsito.

Caso queira saber mais informações sobre o movimento, acesse o site oficial: https://maioamarelo.com/o-movimento/

A importância desse movimento para a sociedade

Em 2019, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram registrados 290 mil acidentes em rodovias federais, sendo 12 mil com vítimas fatais.

Esse número pode ser reduzido com atitudes simples como:

  • Respeitar os limites de velocidade;
  • Não beber, se for dirigir;
  • Não utilizar o celular ao volante;
  • Sempre usar o cinto de segurança.

Essas pequenas atitudes salvam vidas. Por isso, faça a sua parte e chegue ao seu destino em segurança.

Fonte: Dnit

Gostou? Compartilhe:
Brasil produzirá 120 mil caminhões pesados em 2020, diz Anfavea

Brasil produzirá 120 mil caminhões pesados em 2020, diz Anfavea

O presidente da Anfavea – Associação Nacional dos fabricantes de Veículos Automotores, Luiz Carlos Moraes, apresentou recentemente durante o encontro ABC Empresarial, a executivos de transportes, um panorama das vendas de caminhões e veículos pesados em 2019 e também comentou das perspectivas de venda e produção de veículos pesados em 2020.

O evento aconteceu na sede do SETRANS – Sindicato das Empresas de Transportes de Carga do Estado de São Paulo, em fevereiro.

Na ocasião, Moraes comentou que o Brasil deve produzir neste ano cerca de 143 mil veículos pesados, onde estão considerados os caminhões com 3,5 toneladas ou mais e ônibus. Este número reflete um reaquecimento do setor em função de melhores indicadores econômicos, o que deve levar a indústria brasileira a um crescimento de 16,9% frente aos 122 mil veículos pesados produzidos no passado. Mas é um resultado muito melhor se consideramos que em 2016 foram produzidas apenas 62 mil unidades.

Deste total projetado para 2020, 120 mil devem ser caminhões pesados, ficando as demais 23 mil unidades com ônibus. Para efeito de comparação, em 2019 foram produzidos 101 mil unidades de caminhões pesados.

Ociosidade e renovação de frota

“O grande problema é que ainda há muito espaço para crescer. Somadas todas as indústrias brasileiras, temos uma capacidade de produção potencial em torno de 420 mil unidades/ano”, alertou o presidente da Anfavea.

Para Moraes, o número mostra o tamanho da ociosidade das plantas de veículos pesados no Brasil. Questionado por representantes de transportadoras quanto a planos de renovação de frota, ele disse que a Anfavea está aberta e pronta a discutir planos de ação com o segmento de transportes.

Moraes ressaltou ainda que a renovação da frota no Brasil deve passar por discussões da sociedade e por ações que contribuam para que transportadores autônomos e empresas deixem de lado veículos que podem ter 15, 20, 30 ou até mais anos de uso, de forma a estimular o consumo de equipamentos mais modernos e eficientes.

Gostou? Compartilhe:
Próximo workshop do CIST abordará os riscos e oportunidades do DT-e – Documento de Transporte Eletrônico

Próximo workshop do CIST abordará os riscos e oportunidades do DT-e – Documento de Transporte Eletrônico

Depois de ter realizado um encontro em Fortaleza (CE), o Clube Internacional de Seguros de Transportes (CIST) volta a promover sua tradicional série de workshops na capital paulista. O próximo evento  acontecerá no dia 25 de julho, no São Paulo Center, e é destinado aos profissionais dos setores de seguros e logística.

O primeiro painel será sobre “Embarque Ferroviário: Desafios do Setor & Oportunidades, Vantagens e desvantagens”. O palestrante será Rafael Sales,Sênior Risk, Insurance e Claims Specialist da VLI Logística. Formado em Administração, ele possui MBA em Gestão Estratégicas de Negócios, pelo Centro Universitário Una; e em Seguros e Resseguros, pela ENS.

            A segunda palestra é que falará sobre o “Documento de Transporte Eletrônico (DT-e). Implicações de Riscos e Seguros no Transporte de Carga”, lançado recentemente pelo governo federal. A novidade unificará cerca de 20 documentos – como o CT-eMDF-eCIOTseguro obrigatórioRNTRC, entre outros – que precisam ser apresentados pelos caminhoneiros ou transportadores nos postos de fiscalização e pesagem nas rodovias. A ideia é que este formato de arquivo unificado simplifique a fiscalização, ficando embutido em um chip que se comunicará via tecnologia sem fio nos postos de fiscalização, agilizando bastante a vida dos transportadores e caminhoneiros, que não precisarão parar mais nos postos para terem a documentação verificada.

Mas é preciso cautela: a existência do DT-e não eximirá as empresas de emitirem os demais documentos como o CT-e, MDF-e, CIOT, seguro obrigatório, RNTRC, como comentamos em matéria anterior sobre o tema aqui, no Blog da GUEP, que você pode conferir neste link: https://www.guep.com.br/saiba-o-que-e-e-como-funciona-o-dt-e/.

Este painel contará os palestrantes Adauto Bentivegna Filho, advogado e assessor da Presidência e Jurídico do Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região (Setcesp); e Duani Reis, CEO da Opentech, empresa que atua no segmento de Gestão de Risco e Logística em transportes.

O encontro faz parte da grade de workshops mensais que o CIST promove com o compromisso de desenvolver a cultura de gestão de riscos e seguros no Brasil, e capacitar trabalhadores desses segmentos. O wokshop é uma realização do CIST e conta com apoio da  GUEP.

E inscreva-se até o dia 24/07 para concorrer ao sorteio de brindes tecnológicos feito pelo time da GUEP.

Serviço:

Data: 25 de julho de 2019
Horário: 08h30 às 12h30
Local: São Paulo Center
Endereço: Av. Lineu de Paula Machado, 1088/1100 – Cidade Jardim
Investimento: R$ 80 para sócios / R$ 100 para não sócios
Mais informações: www.cist.org.br

Gostou? Compartilhe:
Principais regras da ANTT no Transporte Rodoviário de Cargas

Principais regras da ANTT no Transporte Rodoviário de Cargas

Objetivo:

Transmitir conhecimentos para os profissionais da área fiscal, faturamento, gestores, e administradores das transportadoras sobre os principais pontos relacionados a ANTT que impactam no Transporte Rodoviário de Cargas.

Programa:

CIOT
Seguro
Pedágio x Vale Pedágio
MDF-e
Evasão de Fiscalização
Programa

CIOT

O que é CIOT?
Quem está obrigado a emissão?
Tipos de CIOT
O que é PEF?
O que é TAC?
O que é ETC?
Quando a transportadora está equiparada ao TAC?
Penalidades pela falta de emissão do CIOT
Como o CIOT pode impactar na emissão do MDF-e?
Seguro

DDR
Apólice por estipulação
RCTRC/DC
O que é o número da averbação?
Em qual documento o número da averbação deve ser mencionado?
Averbação em contingência como emite o MDF-e
Penalidades por não informar o seguro no MDF-e
Pedágio x Vale Pedágio

Conceito de pedágio
Pedágio x Vale Pedágio
Quem deve fornecer o vale pedágio?
Quando o vale pedágio deve ser antecipado pelo tomador do serviço?
Conceito de carga fracionada
Exclusão do vale pedágio da base de cálculo do ICMS
Exclusão do vale pedágio da base de cálculo das contribuições federais e previdenciárias
Penalidades pela falta de fornecimento do vale pedágio
Transportadora está obrigada a fornecer o vale pedágio?
MDF-e

O que é MDF-e?
Quando o MDF-e deve ser emitido?
O que é DAMDFE?
Regras para emissão do MDF-e
O que mudou na versão 3.0 do MDF-e?
Quem deve emitir o MDF-e nos casos de subcontratação?
Por que o MDF-e deve ser encerrado?
Infrações e penalidades?
Evasão de Fiscalização

Evasão de balança ou Evasão do posto de fiscalização da ANTT?
Penalidades

Público Alvo:
Profissionais das Áreas fiscal, contábil, faturamento, gestores, administradores e demais interessados em adequar as transportadoras as principais legislações e regras da ANTT, para que possibilite que sejam evitadas as indesejáveis autuações.

Instrutor: Dr. Marco Aurélio Guimarães Pereira – Advogado especializado em Administração pela FGV e Medidas Cautelares pela PUC – SP, Consultor Tributário, Consultor Jurídico do Setrans, do Sindipesa e do Guia do TRC, com mais de 33 anos de atuação na área de Transportes e Indústria. Co-Autor do Livro Manual do ICMS para o Transporte Rodoviário de Carga do Estado de São Paulo. Artigos publicados na GAZETA MERCANTIL, DIÁRIO DO COMÉRCIO (Associação Comercial do Estado de São Paulo), DIÁRIO GRANDE ABC, CARGA PESADA, REVISTA PORTUÁRIA, NTC & LOGÍSTICA e, em sites especializados no segmento. Cursos ministrados “in company” com os temas Legislação do ICMS e Documentos Fiscais para Transportadoras e Regulamentação da Profissão Motorista – nas empresas: Petrobras, Transportadora Americana, Darcy Pacheco, Veloce, Tranziran, Mesquita, Translute, entre outras. Sócio administrador da empresa PAULICON CONTABIL – contabilidade especializada no segmento do Transporte Rodoviário de Carga, com atuação no Estado de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia; Medalha de Honra ao Mérito do TRC Paulista “Adalberto Panzan”, na Categoria Especial. Juiz do Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo (TIT) por dois mandatos consecutivos.

DATA: 17 DE JULHO DE 2019 – DAS 8h30 ÀS 12h30

INVESTIMENTO:

R$ 330,00 por participante – 10% de desconto para clientes Guep.

Novidade: A partir do mês de maio, todos os Sindicatos Patronais de Transporte Rodoviário de Cargas terão o mesmo benefício de desconto aplicado para os associados SETRANS nos Treinamentos e Palestras.
Incluso: Apostilas, Certificado. Coffee Break
* Estacionamento gratuito no local *

Coordenação de Treinamentos

INFORMAÇÕES E INSCRIÇÕES: (11) 4330-4800 com Thayná
e-mail: treinamento@setrans.com.br

IMPORTANTE SABER:

O cancelamento da inscrição do treinamento só será aceito com 02 dias de antecedência por e-mail.
Ausência sem aviso prévio, será cobrado 35% do valor da inscrição, referente as despesas gerais do evento.

LOCAL: Avenida Conde Francisco Matarazzo, 838 – CEP: 09520-110 – Fundação – São Caetano do Sul – SP

Gostou? Compartilhe:
Fotos do Workshop CIST Fortaleza

Fotos do Workshop CIST Fortaleza

Workshop do CIST em Fortaleza atrai imprensa e é sucesso de público.

O primeiro workshop do CIST em Fortaleza não poderia ter sido melhor! O evento desta terça-feira (25.06) reuniu dezenas de empresários e profissionais dos setores de logística e seguros no auditório da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC).

Vários veículos de imprensa também estiveram presentes, como o Diário do Nordeste, TV Cidade (Record), TV Diário (Verdes Mares- Globo), TV Jangadeiro (SBT), Jornal Diário do Nordeste, Portal Tapis Rouge, O Povo e a TV Assembleia do Ceará. Essa mobilização valida o compromisso do CIST de expandir os debates por todo país – agregando as características regionais às discussões dos temas nacionais. Vale lembrar ainda que o wokshop foi uma realização do CIST e da Servis e contou com apoio da Agel, FIEC, Guep, Grupo Fox e AECIPP.

Gostou? Compartilhe: