Setores e empresas de logística sofrem com diversos prejuízos em seus processos. Isso gera muitos entraves para o desenvolvimento do negócio. O transporte de alimentos, por exemplo, é uma das etapas da produção em que mais se encontram perdas e desperdícios de cargas.

Para minimizar esses danos e aumentar os lucros do seu negócio, preparamos este artigo para apresentar as 7 melhores dicas para alcançar esse objetivo! Confira!

 1. Ter cuidado com a manutenção da frota

Veículos que operam em baixa performance estão mais suscetíveis a sofrer acidentes, realizar paradas forçadas ou necessitar viajar em velocidade menor, o que causa a perda de cargas ou atrasos (também gerando deterioração do produto).

Problemas técnicos podem acontecer com todos motoristas, entretanto, os gestores podem tomar as medidas certas para minimizar essas ocorrências. A questão pode ser solucionada com a realização de manutenção planejada da frota para conservar melhor os veículos e torná-los mais eficientes.

Para isso, faça uma avaliação dos veículos e elabore um cronograma de manutenção preventiva. Ela deve ser feita de forma organizada para que não faltem veículos para circular, além de respeitar o prazo indicado entre as manutenções.

 2. Capacitar os colaboradores

Os colaboradores da empresa estão diretamente ligados ao índice de perdas, pois são eles que realizam as atividades operacionais e táticas. Eventuais erros, descuidos, desperdícios, atrasos e outros entraves podem gerar a perda onerosa no transporte de alimentos.

Contudo, vários desses problemas são causados pela falta de conhecimento técnico para exercer a função. Por exemplo, uma carga pode ser danificada na etapa do carregamento pelo fato de o colaborador não saber como manuseá-la. Outra situação comum são acidentes na estrada que podem ocorrer pela falta de cuidado do condutor.

Para aprimorar a qualidade dos trabalhos exercidos, é preciso investir em atualizações, capacitações e treinamentos especializados. É importante que todos colaboradores passem por essa atualização, desde motoristas e carregadores até gestores do estoque e outros profissionais relacionados à atividade.

3. Otimizar os processos de distribuição

Processos morosos e com muita burocracia também podem causar perdas. Isso faz com que os veículos circulem sem a devida revisão e mercadorias sejam entregues com pressa — sem falar nos gargalos do trabalho, retrabalho, entre outros problemas decorrentes da falta de eficiência na prestação do serviço.

É necessário que haja otimização dos processos na cadeia de suprimentos para diminuir erros e o estresse sobre os funcionários, além de fornecer serviço com mais qualidade e segurança. Essa medida também reduz custos e maximiza a lucratividade do negócio.

4. Ter um bom planejamento no transporte de alimentos

Planejamentos são necessários para o sucesso de qualquer organização. No transporte de alimentos, eles devem ser feitos com a determinação de metas para reduzir as perdas a partir das mudanças realizadas no negócio.

Os gestores refletem sobre os problemas do negócio, arquitetam soluções e um plano de ação para aplicá-los na prática. O planejamento deve ser feito com medidas a longo, médio e curto prazo, além de ser constantemente revisado para receber as adaptações necessárias.

Também é importante auxiliar os colaboradores a alcançarem os resultados desejados. Para isso, estabeleça padrões de qualidade na prestação de serviço, invista em tecnologia, crie manuais de instrução que abordem boas práticas e fiscalize os resultados.

Para monitorar os resultados, é preciso utilizar indicadores de desempenho (KPIs) antes e após a aplicação de mudanças no processo de entrega, de forma periódica. Alguns exemplos de indicadores são:

  • percentual de entregas feitas dentro do prazo;
  • reentregas, devoluções e outros problemas;
  • número de avarias no transporte;
  • tempo de ciclo do pedido (de quando o pedido é feito até o momento de sua entrega);
  • giro de estoque;
  • índice de perdas de carga;
  • satisfação dos clientes;
  • valor médio das entregas mensais;
  • ociosidade dos veículos.

5. Controlar o estoque

O controle do estoque é outro fato que impacta a cadeia de suprimentos e as perdas na distribuição. O bom controle consiste na catalogação precisa dos itens disponíveis, seus pesos, volumes, tipos e outras peculiaridades.

Essa tática permite que a equipe planeje as rotas, manuseie cada item, escolha o melhor veículo para cada carga. Tudo isso otimiza os prazos de entrega, minimiza ocorrências de acidente e de perdas da carga.

Para obter um bom controle de estoque, a empresa pode utilizar um aplicativo que permite o registro mais rápido das mercadorias, como um programa que faz a leitura dos produtos por código de barras ou QR code.

6. Aprimorar os roteiros de entrega

Os trajetos percorridos pelos veículos são importantes para minimizar as perdas de alimentos, já que isso torna as viagens mais rápidas, como também diminui as hipóteses de incidentes nas estradas. Um bom roteiro deve considerar os seguintes pontos:

  •  condições das estradas;
  •  trajeto mais rápido e seguro;
  • ocorrência de assaltos nas rotas;
  • trânsito mais viável;
  • restrições dos clientes;
  • paradas nos pontos de carga e descarga;
  • horários de pico nas estradas;
  • horas de trabalho do motorista;
  • quantidade de gastos com combustível.

7. Apostar na tecnologia

Com o rápido desenvolvimento da tecnologia, surgiram vários aplicativos com diferentes funcionalidades aplicáveis na gestão logística. Eles garantem mais economia, agilidade dos processos, automatizam atividades burocráticas, fornecem maior controle aos gestores, entre outras vantagens.

Como o ramo de transporte é bastante competitivo, essas tecnologias permitem o desenvolvimento de vantagens ao negócio diante de seus concorrentes. Algumas das soluções digitais são capazes de reduzir as perdas no transporte de alimentos e garantir maior segurança e gerenciamento dos transportes realizados. As soluções são:

  • sistema de consulta e cadastro de motorista: utilizado para analisar o perfil do profissional motorista e veículo de carga afim de averiguar se os documentos estão em ordem;
  • sistema de roteirização: analisa e cria trajetos mais rápidos e seguros, minimizando acidentes, roubos e furtos;
  • sistema de gestão e atendimento de sinistros: aplica métricas para identificar quais são os sinistros mais comuns, permitindo tomar decisões acertadas para evitá-los, além de registrar os atendimentos de sinistros realizados;

Também há soluções que possibilitam o acompanhamento de todas as etapas da cadeia de distribuição, permitindo a avaliação das bases com a aplicação de indicadores de desempenho para que os gestores averiguem os resultados.

É fundamental adotar as dicas aqui elencadas para evitar perdas no transporte de alimentos. Ao segui-las, você conseguirá manter o equilíbrio das contas financeiras e aumentar a lucratividade do negócio! Gostou do artigo? Então não se esqueça de assinar a nossa newsletter para receber outros textos como este por e-mail!

Gostou? Compartilhe: