A cada dia a tecnologia vai se fazendo mais e mais presente em nossas vidas e mexendo com os modelos de negócio em logística. Quando a gente pensa nas entregas de ‘última milha’, a novidade mais recente é que a Agência Nacional de Aviação Civil, mais conhecida como ANAC, concedeu a primeira autorização de testes para entrega de produtos com drones.

Claro, tudo em caráter ainda experimental.

O CAVE (Certificado de Autorização de Voo Experimental) foi concedido à Speedbird , uma startup brasileira. Vale ressaltar que é a primeira certificação do tipo emitida pela agência. A autorização é válida até agosto do ano de 2021 e permite testes além da linha de visada visual, que é a distância na qual o operador não precisa ter contato visual para operar o equipamento.

“Dentre as atividades que a sociedade espera para os drones explorarem, o delivery é uma das mais promissoras. Obter o CAVE é uma etapa importante no processo de desenvolvimento do negócio, principalmente por ser de uma empresa brasileira”, diz Roberto Honorato, Superintendente de Aeronavegabilidade da Anac.

Por enquanto…

O drone autorizado para as operações de transporte de carga é o de modelo DLV-1. Seu peso é de, aproximadamente, 9 kg e pode transportar produtos de até 2 kg, com velocidade de 32 km/h. Por enquanto, portanto, estão autorizadas operações somente durante o dia e a uma distância máxima de 2,5 km do ponto de decolagem. A partir disso, a entrega deverá ser feita por um entregador.

A Speedbird já tem um cliente interessado no experimento que é a empresa de comida sob demanda (na falta de definição melhor) iFood, que pode iniciar testes na região de Campinas (interior de SP) ainda neste ano. A empresa irá instalar uma central dentro de um shopping da região para entregar comidas da praça de alimentação, complementadas depois por um entregador físico, um ser humano.

Experimentos no mundo todo

Essa onda de usar drones para entregas não é nova. Há experimentos em andamento no mundo todo, alguns dos quais vamos destacar a seguir. Aliás o Brasil já tem utilizado drones em projetos corporativos para fins de monitoramento. O segmento do agronegócio, aliás, é um dos que mais emprega esse tipo de tecnologia.

Amazon – a gigante do comércio eletrônico tem uma divisão de negócio chamada Prime Air, serviço de entregas com drones para produtos vendidos e que poderiam ser entregues em até 30 minutos. O serviço ainda é experimental e se vale de drones autônomos, guiados por GPS. Essa entregas acontecem em localidades afastadas dos centros urbanos, para evitar acidentes. O serviço ainda não foi lançado em grande escala para os clientes da empresa.

Google – a Wing (“asa”, em inglês) é uma empresa da Holding Alphabet, ligada ao Google e que também está pesquisando entregas via drones. O projeto é feito em parceria com as norte-americanas FedEx, de entregas, e a rede de farmácias Walgreens. Também em fase experimental, o serviço opera em cidades da Virginia, Austrália e Finlândia.

UPS – a gigante norte-americana de entregas UPS também está desenvolvendo uma versão própria de serviço de entregas, mas por enquanto autorizada a atuar apenas em em áreas rurais ou dos subúrbios de grandes cidades. O serviço está sendo desenvolvido em parceria com outra rede de farmácias dos EUA, a CVS.

Integração

Antes dos drones de entregas virarem uma realidade e vermos enxames de veículos autoguiados levando pacotes pelos céus, é importante lembrar que este novo modal aéreo tem limitações de alcance, por conta da sua autonomia limitada. Sabendo disso, há empresas que, pensando na ‘perna final’ da entrega, a chamada última milha, já pensou em veículos que atuam em total integração com essa novidade.

Uma delas é a Mercedes-Benz, que se associou à desenvolvedora de drones Matternet e a loja virtual suíça Siroop (mundo todo mesmo hein?!) no projeto conjunto “Vans e Drones”. Combinando vans da Mercedes que operam como plataformas de pouso móveis e drones como entregadores, a ideia é conseguir fazer a entrega de um produto pedido no mesmo dia. Este conceito único está sendo testado em Zurique para detectar sua eficiência e aceitação pelos clientes. A ideia é que a complementaridade ajude a manter os prazos de entrega mesmo em horários com engarrafamentos durante o dia.

Confira mais no vídeo abaixo

A mesma Mercedes já nos mostrou coisa parecida no passado, como neste carro conceito de 2016, em que a van Mercedes Vision Van future MB Sprinter era um verdadeiro depósito móvel, que faz babar as lojas de e-commerce.

Você também pode lembrar – e conferir – esse conceito no vídeo abaixo.

Mais um avanço importante, concorrente ou parceiro? O que você achou dessa novidade? Compartilhe com seus contatos nas redes sociais!

Drones no agronegócio? Tem sim senhor

Lembra que a gente comentou sobre drones no agronegócio? Então, a GuepTV, nosso braço de conteúdo em vídeo visitou a feira Agrishow no ano passado e conferiu de perto dois modelos de drones voltados ao agro. Confira abaixo os vídeos e saiba mais sobre essas novidades.

Fonte: Com Agências de Notícias

Gostou? Compartilhe: