Novidade: bitrem dobrável começa a rodar no Brasil

Novidade: bitrem dobrável começa a rodar no Brasil

A Klabin acaba de iniciar uma operação de um bitrem dobrável no Brasil. O equipamento foi desenvolvido na Austrália pela Kennedy Trailers e adaptado no Brasil pela fabricante de implementos Pastre, a pedido da Unidade Florestal da Klabin.

O modelo é específico para o carregamento de toras de madeira. Quando está carregado, o equipamento tem 19 metros de comprimento. Com o implemento vazio, é possível recolher uma parte da primeira carreta, que fica sobre o chassi do caminhão. Com isso, o comprimento é reduzido para 15 metros.

A ideia é otimizar os processos nas florestas plantadas, base para a produção de celulose, facilitar as manobras liberando espaço para terras agricultáveis, liberar espaço nas vias de tráfego, permitir ultrapassagens mais ágeis e seguras, além de proporcionar economia em combustível, pedágio e pneus.

Confira abaixo o vídeo publicado no canal Indústria Pastre sobre esse modelo de bitrem dobrável:

Segundo o gerente florestal da Klabin, Darlon Orlamunder, além das capacidades técnicas do bitrem dobrável serem as mesmas de um bitrem convencional, o material utilizado para a produção do modelo é 100% nacional.

Para atender à legislação brasileira e à resolução 630 do Contran, o veículo foi adaptado para receber protetores laterais. Uma estrutura metálica foi instalada nos espaços entre os eixos da carroceria. O foco é impedir a invasão de motocicletas e outros veículos menores na parte de baixo do caminhão em caso de acidente.

Segundo Orlamunder, o novo equipamento oferece várias vantagens quando comparado ao bitrem tradicional. Uma das principais é a agilidade de trafegar na área do plantio, uma vez que o implemento ocupa menos espaço para rodar. Em relação aos modelos tradicionais, o sistema dobrável precisa de uma área muito menor para manobrar. O que resulta em melhores condições de direção e aderência em declives, por exemplo.

Também há ganho no tráfego em rodovias. O novo bitrem pode rodar em maior velocidade média, o que garante ultrapassagens com mais segurança. Outra vantagem é em relação ao custo de operação. Quando o bitrem está dobrado, dois eixos e oito pneus ficam erguidos, o que reduz o desgaste dos mesmos.

O bitrem dobrável custa 50% a mais em relação a um bitrem convencional, porém, a Klabin estima redução de custos de combustível na ordem de 5,5% e de pneus em torno de 4%.

Esse bitrem é o único do Brasil, e segundo a Klabin, até o final deste ano a empresa colocará em operação outra versão do bitrem dobrável. Mas essa nova unidade vai recuar até 10 metros quando estiver vazio.

E aí, o que você achou dessa inovação para o setor de transporte?

Fonte: Estradão

Gostou? Compartilhe:
Novo Actros: conheça o caminhão de “luxo” da Mercedes-Benz

Novo Actros: conheça o caminhão de “luxo” da Mercedes-Benz

Novo Actros da Mercedes-Benz, lançado na Fenatran de 2019, e que o time da Guep conferiu de perto, tem painel digital, opção sem retrovisores – o que dá uma pequena, porém importante melhoria na performance aerodinâmica – e cabine totalmente nova. Aliás, põe nova nisso… confira mais abaixo. Ah, e também tem novidade na motorização, com versão com 530 cavalos de potência. Quer mais? A gigante já começou o ano de 2020 com 500 unidades vendidas!

“Desses 500 Novos Actros, adianto que 150 caminhões são equipados com MirrorCam, nosso exclusivo sistema que substitui os retrovisores convencionais por câmeras digitais, uma grande novidade tecnológica que trouxemos para o mercado brasileiro”, diz Philipp Schiemer, presidente da Mercedes-Benz do Brasil e CEO América Latina. “Nossa expectativa era muito positiva quanto à aceitação do Novo Actros pelos clientes, mas chegar a 500 unidades negociadas em 90 dias é motivo de muita satisfação. A forte procura por esse modelo top de linha reforça a nossa crença no sucesso desse caminhão totalmente inovador no Brasil”.

Veja abaixo uma imagem por dentro desse pesado tecnológico:

novo-actros-por-dentro

Essa nova geração, se destaca no quesito segurança. O Novo Actros traz para o Brasil inéditas tecnologias de segurança ativa que evitam acidentes e protegem vidas, como os

  • Aba 5;
  • Farol alto inteligente;
  • ESP – controle de estabilidade;
  • Assistente de fadiga;
  • Assistente de ponto cego;
  • Assistente de faixa de rolagem;
  • Assistente (ou controle) de proximidade;
  • Partida em rampa com nova função;
  • Freio de estacionamento eletrônico.

“O Novo Actros é o único caminhão do mercado brasileiro que freia sozinho quando identifica pedestres à sua frente”, diz Leoncini. “Isso comprova que estamos avançados quando o tema é segurança ativa, ou seja, preservar a vida, o caminhão, a carga e as demais pessoas e veículos nas vias. Como resultado, podemos chegar a 40% menos acidentes com o Novo Actros, com diminuição no número de colisões traseiras e frontais e também de tombamentos. Certamente, vamos passar a ver uma transformação nas estradas, com a circulação do Novo Actros a partir deste ano”.

Se você quer saber ainda mais detalhes sobre o Novo Actros, acesse o site oficial da Mercedes-Benz.

E aí, o que você achou dessas novas tecnologias no setor de transporte? Deixe aqui nos comentários sua opinião.

Gostou? Compartilhe:
7 melhores ferramentas de logística e transporte que você precisa conhecer

7 melhores ferramentas de logística e transporte que você precisa conhecer

Hoje em dia com o avanço da tecnologia, todos os dias surgem novas ferramentas de logística e transporte para otimizar processos que antes levavam bastante tempo, por serem feitos manualmente.

Muitas empresas já utilizam alguns softwares para facilitar o dia a dia e aumentar a eficiência em sua operação. Aliás, o essencial aqui é garantir que o cliente final fique satisfeito com o processo de compra, principalmente com a entrega do produto.

Antes de listarmos as 7 ferramentas de logística e transporte que você precisa conhecer, vamos entender o que são e para que servem as ferramentas de logística.

O que são ferramentas de logística e para que servem?

As ferramentas de logística geralmente são softwares desenvolvidos para agilizar o processo e otimizar a operação de qualquer empresa que atue com logística. A “Era digital”, repleta de informações, permite que as empresas saibam quais são as reais necessidades de seus clientes, e com isso ofereçam novos produtos que os atendam.

Ela ajuda a ter mais precisão, mais velocidade nos processos, reduz a necessidade de intervenção humana para determinadas coisas que a tecnologia pode – e às vezes até deve – automatizar. Lembra que falamos da evolução das ferramentas?! Por que isso está acontecendo só agora?

A principal razão é que, antes, não havia velocidade de processamento no hardware, e tampouco havia software com capacidade analítica capaz de substituir o ser humano para fazer um input de informação, uma comparação, uma correlação de causalidade entre uma coisa e outra, ou mesmo de identificar padrões, imagens ou ações. A Inteligência Artificial, só para darmos um exemplo, é uma dessas tecnologias disruptivas que só mais recentemente começaram a ganhar aplicações práticas no transporte.

Bom já sabemos que a tecnologia é a maior aliada de qualquer negócio que almeja o sucesso e quer se destacar no mercado, principalmente no setor logístico, onde a tecnologia é capaz de aumentar sua eficiência, garantir maior segurança e desburocratizar vários processos.

Agora, vamos para as 7 ferramentas de logística e transporte!

7 principais ferramentas de logística e transporte

TMS (Transportation Management System)

TMS (Transportation Management System) ou Sistema de Administração de Transporte em português, é um software de transporte responsável pelo gerenciamento e controle desse processo.

Eles são muito úteis, pois auxiliam o trabalho de controle de informações relativas a fretes, entregas, roteiros de viagens, rastreamento de cargas, automatização de informação da carga, e até emissão de documentos fiscais das cargas.

Em resumo, ele direciona, de forma integrada, a distribuição da carga com programação automática do status de entrega para o cliente com rastreamento de agendamento de entregas, digitalizando uma série de processos que, no passado, eram feitos manualmente, com o fluxo de documentos e ordens em papel.

WMS (Warehouse Management System)

WMS (Warehouse Management System) ou Sistema de Administração de Armazém em português, é um software de logística que faz a administração de armazém com base no banco de dados que a empresa alimenta.

Ela registra, de forma exata, o momento que acontece quaisquer ações no local, o que ajuda a manter toda a equipe de logística a ter controle total do armazém. O que, entra, o que sai, quando entra, quando sai. Por isso que é uma boa opção para quem deseja reduzir tempo e manter a organização do armazém e assegurar que estoques próprios ou de clientes – lembrando que há empresas especializadas apenas em prover o armazenamento de itens e cargas como um serviço. Segue abaixo algumas ações que esse software faz:

  • Controle e atualização do armazém;
  • Análise de necessidade de compra;
  • Análise de pedidos recebidos;
  • Giro de estoque/produtos;
  • Gestão de inventário;
  • Exatidão em informações dos itens.

ERP (Enterprise Resource Planning)

ERP (Enterprise Resource Planning) ou simplesmente sistemas de gestão empresarial, são soluções de uma categoria que vão até além de um software de logística, pois o mesmo avalia recursos da empresa toda. Pois, tanto atividades do setor administrativo quanto as do operacional podem controladas por ele, ajudando no controle financeiro, por exemplo.

Com isso, há uma otimização no processo já que o software agrega além de logística, outras atividades como financeiro, materiais, controladoria como também oferece a integração dos módulos de WMS e TMS.

Confira abaixo alguns dos principais recursos da ERP:

  • Controle de produção;
  • Cálculo da quantidade de estoque;
  • Fluxo de caixa;
  • Emissão de NF-e (Nota Fiscal Eletrônica);
  • Controle de custos;

No caso destes sistemas, o que acontece muitas vezes é que eles são a espinha dorsal de empresas do segmento de indústrias, varejo, finanças e outros, que precisam de controle e automação de processos. Falando especificamente dos sistemas ERP, são sistemas que muitas vezes são transversais, ou seja, abarcam e integram os processos de várias áreas de uma empresa. Além da integração a sistemas como TMS e WMS, que comentamos acima, há vezes em que há módulos destes sistemas que tratam de logística ou armazenamento, porém não com a profundidade e detalhamento dos sistemas de TMS e WMS.

Sistema de Pesquisa e Cadastro de Motorista e Veículos

Agora, falando um pouco mais focado em ferramentas para o transporte, o sistema de pesquisa e cadastro de motorista e veículos é considerado um item indispensável para manter a segurança em sua operação.

Essa pesquisa e cadastro, tanto de motorista quanto de veículos, é feita como parte dos processos de gerenciamento de risco no transporte de cargas e tem como objetivo identificar se os responsáveis pelo transporte da carga representam ou não risco na hora do transporte.

Se você quer saber mais detalhes sobre isso, nós da Guep, temos um material completo com tudo o que você saber sobre pesquisa e cadastro de motoristas, o que é, como funciona, como fazer, quando é obrigatório e, mesmo quando não é, pode ser desejável, e muito mais.

Para que essa pesquisa e cadastro de motoristas e veículos seja feita da forma mais confiável e transparente possível, é preciso contar com uma ferramenta eficiente para sua operação.

Com um software completo você terá acesso a informações que revelam como está o desempenho de cada motorista, sobre comportamento e outras informações importantes para manter a segurança em sua operação.

Nós da Guep, desenvolvemos uma solução de pesquisa e cadastro de motoristas que busca em tempo real todas as informações necessárias para uma liberação mais segura. O Score é o único sistema que faz a consulta de 400 fontes simultaneamente para melhor tomada de decisão. Proporcionando 40% mais assertividade que qualquer outra opção do mercado.

Monitoramento de carga

Essa ferramenta tem como objetivo garantir que a etapa da entrega seja bem sucedida. Por isso, a realização do mapeamento de cargas é primordial para reduzir riscos de avarias e extravios.

Por esta razão é tão importante investir neste tipo de ferramenta, o que irá garantir maior segurança para seus clientes, e aumentar sua credibilidade no mercado. Isso porque esse tipo de sistema permite que o gestor logístico identifique o local exato onde a carga está. Assim, ele tem um status em tempo real da entrega e pode apresentar uma data de previsão mais condizente com a realidade.

Este tipo de ferramenta começa a fazer mais sentido na medida em que a previsibilidade de entrega passa a ser um item estratégico na relação entre os fornecedores e clientes finais. No caso de um varejista, saber quando o produto está chegando em seus estoques, o que pode criar ações de venda mais efetivas, por exemplo.

Gestão de frotas

Se você deseja ter mais controle e segurança em suas operações de transporte, ferramentas de gestão de frotas podem constituir um item essencial. Entre os principais benefícios estão:

  • Integração das atividades de manutenção;
  • Monitoramento dos veículos;
  • Alertas em situações anormais;
  • Diminuição dos custos;
  • Automatização dos processos;
  • Acompanhamento do desempenho do carro e do motorista.
  • Todos nós sabemos que gerir uma frota não é trabalho fácil. Além da questão operacional de determinar rotas, segurança, conquistar e reter clientes, há toda uma série de atividades essenciais que envolvem da manutenção corretiva ou preventiva de veículos ao acompanhamento de itens como a troca de pneus, a compra de combustível, o armazenamento e gestão de itens de manutenção rápida e sua renovação, à medida em que estas peças são usadas – e precisarão, claro – ser repostas. Os sistemas de gestão de frotas foram pensados justamente para ajudar as empresas que gerenciam um grande volume de veículos e implementos a gerenciar a manutenção destes ativos.

    Sistemas de averbações de cargas

    Soluções eletrônicas para averbação de cargas também são fundamentais no momento antes do embarque para que haja a garantia de cobertura de seguro.

    E o que é, afinal, a averbação? A averbação é o ato de informar à companhia seguradora os dados referentes às notas fiscais e características das mercadorias que foram embarcadas para transporte, para que tenham a devida cobertura em caso de sinistro.

    É importante também que haja a possibilidade de customizações nestas soluções mediante o tipo de operação, já que isso permite às empresas se adaptarem às necessidades de seus clientes.

    Essas ferramentas, em sua maioria, já estão disponíveis para serem integradas a sistemas internos que as organizações utilizam para a gestão do seu negócio, tornando o trabalho mais simples e produtivo inclusive já existindo em algumas plataformas a possibilidade de gerar estatísticas e informações relevantes para a tomada de decisão estratégica da empresa.

    Importante ressaltar que a averbação é um procedimento obrigatório segundo a regulamentação em vigor: o transportador deve averbar a carga para estar em conformidade com o que estabelece a portaria 247 da Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) que prevê que todos os conhecimentos, sem exceção, sejam averbados antes do início de cada viagem.

    Isso é importante porque, se acontecer um sinistro e os documentos não tiverem sido averbados, ou mesmo averbados após o início da viagem, a seguradora pode recusar a indenização ao segurado, deixando o prejuízo para a transportadora.

    Nós da Guep, temos uma solução chamada AverbGuep, que faz exatamente a Averbação Eletrônica de Carga, de forma automatizada, provendo às organizações todo o controle e suporte necessários à sua operação.

    Para finalizar…

    Você viu que existem várias opções de ferramentas voltadas ao setor logístico que otimizam e facilitam o dia a dia das empresas. Em um mercado tão competitivo, é indispensável não implementar a tecnologia em sua operação. Isso pode determinar o fracasso ou sucesso da empresa ao longo do tempo.

    Achou interessante o artigo? Compartilhe nas redes sociais!

    E aí, você já utiliza algumas destas ferramentas citadas no artigo? Se sim, deixe aqui nos comentários.

    Gostou? Compartilhe:
Scania entrega os primeiros caminhões a gás do Brasil

Scania entrega os primeiros caminhões a gás do Brasil

Na última quinta-feira (28/05) a Scania, uma das maiores fabricantes de caminhões e ônibus do Brasil, realizou a entrega dos quatro primeiros caminhões movidos a gás natural veicular (GNV) e/ou biometano do Brasil. O modelo dos quatro caminhões foram o R410 6X2, entregues dois à RN Express e dois à Jomed Log.

Segundo as transportadoras, todos os caminhões serão utilizados em operações de transporte da L’Oréal e da Nespresso em rotas entre o Rio de Janeiro e São Paulo.

Os caminhões pesados da Scania movidos a gás natural foram desenvolvidos para percorrer médias e longas distâncias. Seus motores são Ciclo Otto e construídos para ser 100% a gás e biometano, o que contribui com a parte sustentável. Além disso, eles são 20% mais silenciosos que os outros modelos.

“Celebrar a entrega dos primeiros caminhões a gás comprova que estamos no caminho certo liderando a mudança para um sistema de transporte mais sustentável. A Scania, a RN Express e a Jomed LOG entram juntas para a história comprovando que estão, de fato, contribuindo para a redução das emissões de CO2 no planeta. Temos certeza que estas duas transportadoras e seus embarcadores servirão de modelos para outras empresas”, comenta Silvio Munhoz, diretor comercial da Scania no Brasil.

Primeira venda do Scania a gás

O primeiro caminhão a gás natural veicular (GNV) e biometano do Brasil foi comprado pela RN Express. A aquisição ocorreu durante o evento presencial da Fenatran, em outubro de 2019.

“Vamos atuar com a Nespresso e outras marcas da Nestlé na mesma rota, bem como com a L´Oreal. Como o caminhão tem uma autonomia de cerca de 450 km, é ideal para operar o trecho Rio-São Paulo”, afirma Rodrigo Navarro, diretor comercial da RN Express. Ele lembra que a rede de postos e de reabastecimento nessa rota é ampla.

Entrevista exclusiva da Guep na Fenatran 2019 sobre a Scania

Gostou da novidade?! Então não deixe de assistir ao vídeo abaixo, em que nosso Gerente de Marketing, Alex Barbosa, entrevistou na Fenatran 2019, Paulo Genezini, líder de gestão de produto da Scania e que falou à nossa reportagem sobre esta inovação no transporte.

Aproveite e compartilhe esta notícia com seus contatos que possam se interessar pela novidade e siga a Guep em nossas mídias sociais.

Gostou? Compartilhe:
Iveco produzirá o Nikola Tre: caminhão elétrico a hidrogênio

Iveco produzirá o Nikola Tre: caminhão elétrico a hidrogênio

A Iveco juntamente com a Nikola Motor Company anunciaram a produção em série do caminhão Nikola Tre. O cavalo-mecânico com motor elétrico será feito na fábrica da Iveco em Ulm, na Alemanha. O Nikola Tre é baseado no Iveco S-Way, tem motor a eletricidade alimentado por célula a combustível e seu lançamento está previsto para o ano de 2023.

Trata-se de uma evolução e tanto. O Nikola Tre é um FCEV (Fuel Cell Electric Vehicle), ou veículo elétrico a célula a combustível. Esse tipo de modelo é raro até em países da Ásia como Japão e Coreia. E, diferentemente dos elétricos convencionais, os FCEV não precisam ser recarregados na tomada.

No Nikola Tre, a célula a combustível transforma hidrogênio em eletricidade, sistema que já foi demonstrado em carros de passeio da Toyota, como o Toyota Mirai (Mirai, em japonês, significa futuro), que está atualmente em sua segunda geração. Veja a foto abaixo:

toyota-novo-mirai

O sistema é baseado em uma reação química em que o hidrogênio, ao passar por uma membrana reage com o oxigênio e libera elétrons numa corrente, gerando eletricidade e vapor de água no processo. Não há combustão, tampouco emissão de poluentes. Pelo escapamento, sai apenas água. Uma evolução e tanto, não acha?

Com a parceria, firmada em setembro de 2019, a CNH Industrial investiu US$ 250 milhões (mais de R$ 1 bilhão) na Nikola Motor, uma startup norte-americana que projeta picapes e caminhões elétricos. Sua sede fica em Phoenix, no Arizona, mas a companhia foi fundada em 2014 em Salt Lake City, no Estado de Utah. O nome é uma homenagem ao cientista austríaco Nikola Tesla, um prolífico cientista pesquisador da eletricidade e da física, cujo sobrenome também batiza a maior fabricante de carros elétricos do mundo, a Tesla, do bilionário Elon Musk.

A fábrica alemã de Ulm concentra o núcleo da engenharia de chassi da Iveco e está estrategicamente posicionada no centro da região de Baden-Württemberg, que é forte na indústria automotiva e apresenta claros esforços para se tornar um polo da mobilidade com célula de combustível.

Outra razão para a escolha da Alemanha é o interesse do governo em financiar programas voltados ao desenvolvimento de tecnologias “limpas” de produção. A país investirá € 2 bilhões (cerca de R$ 9,4 bilhões) em pesquisa e infraestrutura para reabastecimento de veículos a célula a hidrogênio.

“A parceria com a Nikola prova que o transporte de longa distância com emissão zero (de poluentes) está se tornando realidade. Isso vai resultar em benefícios ambientais tangíveis para os transportadores”, diz Hubertus Mühlhäuser, CEO da CNH Industrial.

E você, o que você achou desta inovação sustentável? Deixe aqui nos comentários sua opinião.

Fonte: Estradão

Gostou? Compartilhe:
Os caminhões mais feios do mundo? Conheça os projetos de Luigi Colani

Os caminhões mais feios do mundo? Conheça os projetos de Luigi Colani

Há quem goste. Mas são poucos. Quem não goste, muitos. Indiferentes? Quase nenhum. É a reação típica aos projetos de caminhões desenvolvidos pelo designer Luigi Colani, que, apesar do nome dar a impressão de ser italiano, era na verdade alemão, nascido Lutz Colani.

Notabilizou-se ao curso de uma longa carreira por chefiar um estúdio de design que projetou de tudo: de bicicletas a automóveis, de casas a móveis, passando por utensílios domésticos variados, computadores, etc. Produziu até praticamente o final da vida, tendo falecido aos 91 anos em setembro de 2019. Desenhou automóveis e projetos para Fiat, Alfa Romeo, Lancia, Volkswagen, and BMW.

Para o que nos interessa – e o público do blog da Guep – também produziu caminhões com um design….digamos… extravagante. Para dizer o mínimo. Suas primeiras incursões nos projetos de caminhão vão ao início dos anos 70 do século passado, quando o mundo se via às voltas com o choque dos preços de petróleo, produzidos pelos então países da Opep, o que fez com que o preço dos combustíveis fosse às alturas (no Brasil, como reflexo desse movimento, mais tarde teríamos uso do etanol como combustível).

Usando um estilo de design que chamava de “biodinâmico”, Colani apostava em veículos com curvas suaves, formas alongadas e arredondadas e complementadas com elementos voltados a diminuir ao máximo o arrasto aerodinâmico, tudo isso para conservar energia e economizar combustível.

As formas exóticas eram resultado de uma maturidade na manipulação da fibra de vidro, material leve e maleável, que ele dominara tecnicamente após uma passagem pela fabricante de aviões McDonnel-Douglas nos anos 50, então sim, se você ver semelhanças dos caminhões de Colani com aeronaves não será mera coincidência.

Um de seus modelos mais icônicos é o 2001, projetado no distante ano de 1978 e que recebia este nome por imaginar como seriam os caminhões no ano 2001. A característica mais marcante do veículo, feito sobre a plataforma de um Mercedes-Benz 1729, é a sua cabine avançada sobre o capô baixo com uma bolha de vidro servindo de cabine e que trazia uma curiosa estrutura típica dos projetos de Colani: um limpador de para-brisa composto por três lâminas em um rotor, alusivo também ao logotipo da Mercedes-Benz.

Outros modelos se seguiram, cada um trazendo uma melhoria ou novo arranjo aerodinâmico e que, sem modificações nos seus modelos-base, poderiam gerar uma economia de até 30% no consumo de combustível. Colani chegou até a trabalhar em conjunto com engenheiros para produzir melhorias em motores a diesel com novos sistemas de ignição e injeção.

Mais tarde, em 2007, produziria modelos em conjunto com a alemã Siemens, parceria que anos mais tarde geraria o que talvez tenha sido seu modelo mais exótico: o Siemens Innotruck, desenvolvido em 2012 e que tinha por característica uma cabine que mais lembrava um caça a jato ou uma nave espacial, onde a cabine se fundia ao espaço de carga em um único elemento e o trem de força ficava numa unidade móvel logo abaixo, com uma forma pronunciada e afunilada, para obter a máxima performance aerodinâmica com redução de até 50% no consumo de combustível!!! Em lugar do volante, um manche semelhante ao de um avião e um painel com tela sensível ao toque para os principais comandos e instrumentos.

Arrojadas, polêmicas, as formas dos projetos de Colani sempre despertaram interesse e curiosidade, mas nunca foram abraçadas massivamente pela indústria, uma vez que implicariam em uma mudança radical nas linhas de produção e cadeias de suprimento.

Os projetos ficam como um registro de um momento em que design industrial ousou trazer novas formas ao transporte de carga. Estaria Colani muito à frente de seu tempo?!

Gostou? Compartilhe: