Em uma live transmitida pela HSM, com o tema: “Covid-19: os novos desafios de transporte e logística no país”, o presidente da CNT, Vander Costa, projetou vários pontos e tendências para o futuro da atividade transportadora no Brasil.

O debate contou com a participação de Celso Kassab, sócio de Consultoria Empresarial e responsável pelos serviços de Supply Chain da Deloitte, e Peter Cabral, expert da SingularityU Brazil em Mobilidade Digital. O CEO da HSM e co-CEO da SingularityU Brazil, Reynaldo Gama, foi o moderador da conversa.

Segundo Costa, o “novo normal” do transporte será, necessariamente, pautado por padrões muito elevados de assepsia.

“Aumentar a higienização é o primeiro passo. Algumas soluções estão sendo estudadas e estamos a atento a elas. No Brasil, há um experimento com nanopartículas que, uma vez pulverizadas no ar, permitiriam ambientes seguros por até três dias”, detalhou. “E a utilização de máscaras veio para ficar”, prevê. “Outra coisa que a CNT vem fazendo é acompanhar as experiências da China e da Europa. Nesse caso, copiar as boas práticas é queimar etapas”, argumenta.

O presidente comentou, também, que a pandemia acelerou mudanças culturais. “Por exemplo, muitas pessoas que tinham resistência a comprar pela internet agora o fazem”, destaca. De acordo com ele, essas novas demandas vão testar nossa capacidade logística. “Daqui para a frente, será fundamental desenvolver a multimodalidade. Cada vez mais, veremos a integração de rodoviário, ferroviário, aquaviário e, principalmente, cabotagem, cujo potencial é muito pouco explorado. Acho que temos espaço para evoluir, e esse pode ser um legado deste momento difícil”, acredita.

A mudança de cultura não será apenas individual mas também da sociedade e da própria atividade empresarial. Vander Costa prevê que as grandes cidades vão testar modelos de escalonamento de horários para o uso do transporte coletivo, a fim de evitar aglomerações. “Veremos horários diferenciados para diferentes atividades, de modo a distribuir o fluxo de pessoas ao longo do dia. Provavelmente, diversas empresas ampliarão o horário de atendimento com esse mesmo intuito”, pondera.

E aí, qual a sua opinião sobre o setor do transporte pós-pandemia? Deixe aqui nos comentários.

Gostou? Compartilhe: