Você sabe o que é, como funciona e a importância de um tacógrafo no transporte de cargas? Se você faz parte do setor de logística, e deseja se destacar na área é indispensável conhecer os detalhes sobre seu funcionamento e utilização.

Mas se caso você ainda não saiba exatamente, mas quer se atualizar, aperfeiçoar seus conhecimentos e aprender mais sobre o tacógrafo, continue lendo nosso artigo e descubra tudo o que você precisa saber sobre esse aparelho.

Vamos lá?!

O que é um tacógrafo?

O tacógrafo é uma peça de medição, muito útil, que auxilia na logística das transportadoras. Ele serve para registrar a distância percorrida e a velocidade do deslocamento de um caminhão e outras funções importantes referentes às viagens realizadas.

Podemos dizer que é ele é uma espécie de “caixa preta” dos caminhões. Porém, ao contrário das caixas pretas dos aviões, a conferência dos dados registrados é fácil e acessível pelo próprio motorista, por representantes da transportadora e pelas autoridades rodoviárias.

Seu uso, e o monitoramento que ele proporciona, ajuda a evitar situações como:

  • Danos causados à mercadoria devido à alta velocidade do veículo;
  • Maior consumo de combustível pelas variações de velocidade;
  • Maior incidência de sinistros e acidentes por uma direção menos segura;
  • Mais problemas com multas de trânsito que podem ser provocadas por conduta errada por parte do motorista.

Como funciona um tacógrafo?

Agora que você já sabe o que é um tacógrafo, vamos explicar de forma simples como funciona esse aparelho.

O tacógrafo em sua versão analógica que, a propósito, é a mais utilizada (historicamente responde por cerca de 90% do mercado), tem dentro de si um disco-diagrama e é nele que são gravadas as informações do percurso em uma espécie de gráfico. Em sua variante mecânica, traz um conjunto de três agulhas ou sondas metálicas, que registra por pressão todas as leituras sobre o seu disco-diagrama. O funcionamento ocorre por um cabo mecânico que é atrelado na saída da caixa de câmbio.

Exemplo de tacógrafo mecânico

Exemplo de tacógrafo mecânico

Há uma variante deste modelo que é o tacógrafo eletrônico, que, a exemplo do mecânico, realiza as mesmas medidas do mecânico mas substitui o cabo mecânico por sinais eletrônicos, e também muitas vezes um display digital. É um equipamento mais compacto. Ambos registram as informações em um disco informativo. Dependendo do modelo do aparelho, esse disco deve ser trocado semanalmente ou até mesmo diariamente.

Exemplo de tacógrafo eletrônico

Exemplo de tacógrafo eletrônico

Desta forma, temos um equipamento que aponta e registra simultaneamente, e de maneira inalterável, a velocidade e a distância que o veículo percorreu em determinado espaço de tempo. Em resumo, o tacógrafo ajuda a identificar informações importantes, como:

  • Horas trabalhadas pelo motorista;
  • Tempo gasto durante as paradas e intervalos;
  • Velocidade média do veículo.

Além de que, no centro do aparelho há, ainda, um local específico para anotar alguns dados importantes, como: nome do condutor, local e data de início e término do percurso, identificação do veículo, início e fim da indicação do hodômetro e o número da portaria de aprovação do modelo do equipamento.

Além de obrigatório, é um equipamento vital em alguns casos: quando há sinistros, no caso de acidentes, por exemplo, o tacógrafo pode auxiliar na investigação das causas que levaram ao incidente.

E o tacógrafo digital? Qual a diferença?

Os modelos digitais tem como diferença, além dos mecanismos e sensores que registram os aspectos das viagens, a utilização de uma fita diagrama, similar às bobinas de papel térmico como as usadas em impressoras fiscais e não fiscais.

Exemplo de tacógrafo digital

O uso deste tipo de equipamento facilita a leitura das informações que são impressas em um relatório mais acessível a diversos públicos.

Outra diferença é que os tacógrafos digitais conseguem registrar mais informações que os analógicos, medindo outras atividades, tanto do caminhão, quanto do motorista.

É possível extrair relatórios de:

  • Comportamento;
  • Segurança;
  • Consumo;
  • Manutenção;
  • Rotas no mapa;
  • Limite de velocidade;
  • Limite de velocidade em chuva;
  • Limite de aceleração;
  • Uso do cinto de segurança;
  • Excesso de velocidade em curva;
  • Pontos de interesse na carroceria.

Além, claro, dos controles básicos como:

  • Dados do motorista, ou motoristas em caso de viagens em dupla;
  • Distância percorrida;
  • Registro gráfico de velocidade;
  • Escala de tempo.

Outro ponto a favor dos tacógrafos digitais é que estes dificultam algumas brechas e vulnerabilidades que acontecem no aparelho analógico. No caso de empresas ou motoristas mal-intencionados, elas em muitas vezes fazem adulterações como:

– Desconectar o cabo de alimentação do tacógrafo para evitar o registro dos dados referentes ao transporte;
– Troca dos pneus da tração para criar leituras diferentes;
– Travar os ponteiros de velocidade ou dos demais leitores em uma determinada posição;

Por que são feitas estas irregularidades e adulterações? Claro, são feitas para burlar a fiscalização e evitar medidas punitivas quando há conduta que foge ao que é considerado uma direção segura e responsável para o transporte de carga.

Vantagens e desvantagens dos modelos analógico e digital

Há uma diferença significativa entre os tacógrafos analógicos e digitais? Sim, há uma diferença quanto ao funcionamento dos equipamentos e que vai além do seu princípio de funcionamento: os tacógrafos analógicos, por exemplo, são priorizados em muitos casos por conta de seus menores custos de aquisição, na comparação direta com os digitais,

Porém… (e sempre há um porém), há a questão da manutenção: os tacógrafos analógicos implicam em uma troca frequente e constante, que tem um impacto direto nos custos operacionais deste tipo de equipamento. Nas áreas administrativas de transportadoras, é comum ver nas mesas dos times de gestão pilhas de discos de tacógrafos registrando viagens e é a partir destes que muitas vezes saem pagamentos de motoristas ou evidências para fins de fiscalização.

Já o tacógrafo digital tem um custo de aquisição maior, porém com um custo de manutenção menor ao longo de sua vida útil. Em muitos casos, o uso a médio prazo no transporte de carga tendem a, no médio prazo, serem mais vantajosas para o tacógrafo digital.

O uso do tacógrafo para caminhão é obrigatório? Por que?

Sim, o uso do tacógrafo é obrigatório por lei. De acordo com o artigo 105 do Código de Trânsito Brasileiro, são aparelhos obrigatórios dos veículos:

I – cinto de segurança, conforme regulamentação específica do CONTRAN, com exceção dos veículos destinados ao transporte de passageiros em percursos em que seja permitido viajar em pé.

II – para os veículos de transporte e de condução escolar, os de transporte de passageiros com mais de dez lugares e os de carga com peso bruto total superior a quatro mil, quinhentos e trinta e seis quilogramas, equipamento registrador instantâneo inalterável de velocidade e tempo.

O motivo dessa obrigatoriedade é de que o equipamento contribui para maior segurança nas estradas. Isso porque os motoristas, sabendo que estão sendo monitorados durante o trajeto, tendem a adotar uma conduta de direção mais defensiva.

Isenções

Agora, também é importante ressaltar que há situações em que os veículos podem estar isentos do uso do tacógrafo. Fazem parte desta exceção à regra veículos:

  • Veículos de carga fabricados até 31 de Dezembro de 1990 e com Capacidade Máxima de Tração (CMT) inferior a 19 toneladas;
  • Veículos de carga fabricados a partir de 01 de Janeiro de 1999 e que tenham peso bruto total (PBT) inferior a 4.536 kg;
  • Veículos de transporte de passageiros ou misto, desde que licenciado na categoria particular e que não realizam transporte remunerado de pessoas.

O que acontece se o caminhão não tiver o tacógrafo?

A não utilização do tacógrafo pode resultar não só na perda de pontos da carteira do motorista, como no pagamento de uma multa por parte do responsável. Ele pode ser aplicada nos seguintes casos:

  • Ausência por qualquer motivo;
  • Não uso do aparelho;
  • Adulteração das medições do tacógrafo.

Lembrando que o aparelho precisa passar por uma inspeção do INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) e ter aprovação, antes de começar a ser utilizado.

Para finalizar…

Quem trabalha no setor de transporte sabe que a gestão de velocidade dos veículos de transporte é uma grande preocupação, principalmente porque trafegar em velocidade acima do permitido pode causar inúmeros problemas.

Por isso o uso do tacógrafo, além de ser obrigatório, é essencial para manter o controle e fiscalização de sua operação. Tornando, assim, a gestão muito mais segura e eficiente.

Agora que você sabe o que é o tacógrafo e como funciona, não deixe de checar se o seu negócio cumpre todas as normas exigidas em torno desse equipamento. Como você mesmo leu, esse cuidado traz grandes benefícios.

Gostou? Compartilhe!

Gostou? Compartilhe: