Brasil precisa evoluir na gestão dos riscos no transporte

Brasil precisa evoluir na gestão dos riscos no transporte

O Brasil precisa criar uma cultura efetiva e evoluir na gestão de riscos na logística. Este foi um dos alertas de Alfredo Chaia, líder de Enterprise Risk Management da consultoria Risk Veritas e vice-presidente do CIST – Clube Internacional de Seguro de Transportes.

Chaia deu uma entrevista ao time da GuepTV e falou que o País vive um importante momento de transição no mercado de seguros de transporte.

Tecnologia e transformação

“Tudo isso muito ligado às transformações relacionadas à tecnologia, particularmente nos últimos 10 anos”, explica Chaia.

Para o executivo, a tecnologia tem evoluído no transporte nos últimos 30 anos, sempre imbuída das questões de ganho de eficiência e segurança, mas foi apenas nos últimos dez anos que aconteceu uma transformação digital acelerada, que tem, por consequência, gerado uma pressão maior sobre as organizações.

Para o executivo, existem questões como a multimodalidade e a integração de grandes cadeias de abastecimento. “Existem grandes desafios, mas é importante criar um pensamento voltado à prevenção e mitigação de riscos”, afirmou.

Integração e logística

Chaia comentou à GuepTV o desafio da logística atual como a integração de cadeias de suprimento cada vez mais complexas, onde existem organizações que não só movimentam, mas atuam na integração de componentes, com serviços de valor agregado aliados à logística.

“Muito do que conseguimos hoje é resultado do tamanho e a complexidade das cadeias logísticas, porém, se um dos agentes interrompe o fornecimento em um elo, toda a cadeia pode ser comprometida”, alerta Chaia.

E é nesta grande interdependência, que ocorre em escala nacional e internacional, que residem os grandes desafios para a logística e gestão de riscos. Qual é o papel da logística nesse cenário, como ela assume o desafio de operar isso em termos de escala e eficiência?

E Chaia, ainda chama a atenção para o fato do Brasil, apesar de seguir no desenvolvimento de da gestão de risco, é um fato de que ainda há um caminho a ser percorrido para que nos tornemos um País maduro em termos de gestão de risco.

Confira a seguir a íntegra da entrevista, na GuepTV 

Gostou? Compartilhe:
Entenda melhor o papel das gerenciadoras de risco

Entenda melhor o papel das gerenciadoras de risco

Uma empresa gerenciadora de risco trabalha dentro da cadeia do transporte rodoviário de carga, sendo um ente essencial deste processo, ajudando a mitigar os riscos associados a esta operação.
É a gerenciadora de risco que promove o chamado PGR – Plano de Gerenciamento de Risco, conjunto de procedimentos e ferramentas que são utilizadas visando prevenir perdas materiais e preservar a vida do motorista em qualquer operação.
Este tipo de esclarecimento é importante, porque é muito comum as empresas, sejam elas grandes embarcadores ou transportadores, fazerem uma confusão entre quem são suas seguradoras, corretoras ou gerenciadoras de risco. É o que explica Rodrigo Tardelli, diretor da Atlas Gerenciadora de Risco, em entrevista exclusiva dada ao time da GuepTV.

Tecnologia e inovação

Tardelli também falou à GuepTV sobre o papel da tecnologia e inovação como uma forma de atender e encantar clientes. O executivo também falou de uma plataforma tecnológica que está desenvolvendo voltada à gestão de risco e que terão uma série de tratativas e SLAs, com indicadores que podem ser acompanhados pelas equipes envolvidas em tempo real.
“Será uma plataforma de software mais nova, capaz de interagir com outros sistemas como ERPs ou TMSs por meio de webservices”, explicou o executivo.

Confira abaixo a íntegra da entrevista dada ao time da GuepTV.

Gostou? Compartilhe:
Qual a importância do gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas?

Qual a importância do gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas?

A Essência do Gerenciamento de Risco é criar valor, reduzindo o número de incertezas que podem se transformar em problemas e minimizar os possíveis efeitos futuros que venham a ocorrer, ou seja, deve ser uma ação contínua e estar presente nas tomadas de decisões de diversos setores e departamentos da empresa.

Na cadeia logística não é diferente pois o gerenciamento de risco é fundamental para evitar prejuízos não apenas do Transportador, mas também do proprietário da mercadoria, da Seguradora e do cliente final que aguarda a entrega, contudo, nem todas as empresas compreendem bem a importância dessa prática e como ela deve ser realizada de forma adequada.

Neste post vamos explicar o que é o gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas, quais são os principais riscos e como podem ser evitados. Além disso, vamos dar orientações sobre como obter e garantir de forma adequada uma melhor prática de gerenciamento de risco na empresa em que você atua. Confira!

O que é o gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas?

Na teoria, é um conjunto de medidas preventivas com o intuito de identificar, avaliar, e por fim evitar, minimizar ou sanar riscos de danos e perdas que possam ocorrer no transporte rodoviário de mercadorias.

Tais situações podem estar presentes e dificultar a execução de alguns dos processos desde o seu armazenamento, acondicionamento da carga no veículo transportador, percurso durante a viagem até por fim a entrega da carga no cliente.

Quais são os principais riscos que precisam de atenção?

Antes de mostrarmos como dar atenção devida ao gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas, é preciso identificar quais são as situações que merecem atenção nesse sentido. Acompanhe a seguir.

Fator humano (negligência / imperícia / imprudência)

São fatores que podem ser evitados e gerenciados principalmente com treinamento dos profissionais envolvidos na operação e principalmente dos motoristas.

O Papel da empresa nesse momento é entender quais são os pontos de atenção que precisam ser gerenciados e tomar as devidas providências para evitá-las e solucioná-las. Podemos destacar alguns exemplos como:

  • Utilização de celular ao volante (negligência)
  • Falta de capacitação profissional (imperícia)
  • Motorista dirigindo em velocidade acima do permitido (imprudência)

Acidentes

É uma realidade cotidiana ouvir e ler nos meios de comunicação notícias sobre tombamentos e colisões de veículos de carga, muitas vezes oriundas de motoristas com sobrecarga em suas jornadas de trabalho; tráfego em estradas com péssimas condições e com altos índices de acidentes; más condições do veículo transportador além de outros fatores geradores de sinistros de acidentes.

Atrasos

Os atrasos nas entregas geram um efeito cascata em todo o processo logístico. A insatisfação do cliente pela falta do produto é apenas uma das consequências negativas geradas, visto que, quando uma carga atrasa, significa que o veículo está gastando mais tempo e recursos do que deveria a princípio. Desta forma, a produtividade é reduzida, e os custos da operação aumentam na mesma proporção.

Perdas e faltas

Tais aspectos podem atingir qualquer operação logística desde o momento antes do embarque no veículo transportador, que é quando a mercadoria ainda se encontra no depósito até o momento em que a entrega é realizada. Por exemplo, a perda de carga durante o transporte atinge principalmente os produtos a granel. Entre outros fatores, a dispersão de mercadorias ocorre em virtude principalmente de acondicionamento inadequado e péssimas condições das rodovias.

Roubo, furto e desvio de carga

O roubo de cargas é uma prática que tem crescido a cada dia e gerado muitos prejuízos a todos os envolvidos no processo, inclusive a sociedade, pois isso afeta diretamente o preço dos fretes, a competitividade do mercado e os resultados financeiros das empresas do setor. Atualmente, existem diversas formas de minimizar o problema, como veremos mais à frente.

Como realizar o gerenciamento de risco de forma eficiente no transporte rodoviário de cargas?

Depois de entender bem quais são alguns dos principais riscos que podem ocorrer no processo logístico de sua empresa, a próxima pergunta é: como gerenciar risco de forma mais eficiente? É o que vamos responder agora.

Conheça bem sua operação

O Setor de logística e transporte rodoviário de cargas por si só possui suas próprias limitações e dificuldades e o sucesso de toda a operação depende de uma gestão cada vez mais eficiente. Toda empresa precisa reconhecer suas falhas para que seus resultados não sejam afetados.

Desta forma, será necessário realizar um levantamento de todos os aspectos críticos que possam gerar riscos ou que já tenham trazido prejuízos para a empresa, tais como falhas, reclamações e sinistros.

Contrate um gestor de risco experiente

É este profissional que possui a capacidade de entender e avaliar os riscos na operação de transporte rodoviário de carga, analisando suas causas e fragilidades e por fim, apresentando soluções para sanar, evitar ou minimizá-las.

A Consultoria deste profissional poderá ainda auxiliar sua empresa quanto as regras estabelecidas no plano de gerenciamento de risco imposta pela seguradora em sua apólice de seguros assim como mapear os sinistros ocorridos em sua operação utilizando estudos sobre graus de risco de frequência e severidade, analisar os trajetos que são utilizados na operação, o desempenho dos motoristas incluindo possibilidade de treinamentos, os locais de pernoites e onde as paradas são realizadas. Outra função também pode ser a de indicar uma gerenciadora de risco adequada para casos em que haja a necessidade de monitoramento de carga, assim como o uso de empresas de escolta.

Utilize soluções tecnológicas em sua gestão de riscos

Após identificar os pontos críticos, ações podem ser tomadas inclusive com a ajuda do gestor de riscos tais como selecionar as melhores rotas e pontos de paradas mais adequados; aperfeiçoar o processo de treinamento e a contratação de motoristas de carga;

O Mercado atualmente já disponibiliza ferramentas inovadoras como pesquisas de perfil securitário com retornos mais rápidos e assertivos, uso de simuladores para treinamento de direção defensiva, sistemas de telemetria, iscas eletrônicas, monitoramento da frota via sistema de câmeras embarcadas, e ainda sistemas de roteirização com análise de todo trajeto e informações completas referente as áreas de risco assim como o uso de aplicativos de celular mais conhecidos como “rotogramas falados”, tudo isso trazendo ainda mais segurança a sua operação;

Como vimos, o gerenciamento de risco no transporte rodoviário de cargas contribui para a redução de custos operacionais e permite que todos os envolvidos consigam melhores resultados financeiros, além de garantir mais segurança não apenas para a carga, mais também para o próprio motorista.

Gostou do post? Receba conteúdos relevantes como esse diretamente em seu e-mail. Assine agora mesmo a nossa newsletter!

Gostou? Compartilhe: